Sem querer…

Sem querer despedir-me de vocês,Despeço-me da despedida…Ó vidaPálida! Qual o desmatar! Sem querer separar outra vez,Separo-me da separação…Ó coraçãoDoído! Qual o infartar! Sem querer sonho atormentante,Afasto sonhar o que não vi…Oh! DormirA quietude do lajedo! Suspiro o aroma embalsamanteDe serenos dias beber.Oh! ViverO presente é que almejo! [Ari Donato | Salvador / 2014]